Polícia moçambicana resgata crianças vítimas de tráfico humano

MOÇAMBIQUE

15 crianças estavam entre as 22 pessoas que seriam transportadas esta semana para a África do Sul. ONG fala em “crime organizado” e pede maior empenho das autoridades contra o tráfico humano no país.

Tráfico de seres humanos em África (Foto de ilustração)

Em Moçambique, a polícia anunciou, esta sexta-feira (01.12), em Maputo, que abortou uma tentativa de tráfico de seres humanos, incluindo crianças, para a África do Sul. O caso ocorreu na última quarta-feira (29.11.). Os dois suspeitos de tráfico encontram-se detidos, enquanto se procede a abertura dos respetivos autos de acusação.

O grupo, constituído por 22 pessoas, incluindo 15 crianças com idades entre os cinco e 12 anos, estava a ser transportado para o país vizinho pelos dois presumíveis traficantes. As crianças foram entregues aos seus familiares, segundo informou o porta-voz da polícia na província de Maputo, Fernando Manhiça.

O porta-voz disse que o grupo era transportado numa viatura que foi interceptada pela polícia de guarda fronteira na região da Ponta de Ouro, no sul do país.

“Ao ser fiscalizada constatamos que estavam lá 22 pessoas que não tinham nenhum documento que lhes habilitava a atravessar a fronteira. E nisso suspeitamos logo que se tratava de tráfico de pessoas”, afirmou.

Mosambik ReisepassGrupo que seria transportado para a África do Sul não possuia os documentos necessários para a viagem

Crime organizado

Os presumíveis traficantes alegam que as crianças iam ter com os seus país na África do Sul. Entretanto, a diretora Executiva da Rede de Comunicadores Amigos da Criança, Célia Claudina, esclarece que a legislação moçambicana apenas permite transportar crianças se houver “uma credencial dos pais”.

Célia Claudina descreveu à DW África o estado em que se encontravam as crianças quando foram resgatadas. “Elas foram encontradas numa situação em que tinham receio de contato com as pessoas. É o sinal mais claro de que estavam a ser transportadas de forma indevida e irregular”, acrescentou.

Para a diretora da Rede de Comunicadores Amigos da Criança, este caso faz parte de uma rede de crime organizado. “Há sinal de que este tipo de práticas é frequente no nosso país, mas são casos que não foram devidamente investigados e, por conta de fugas de informação, quando a polícia foi informada infelizmente já não encontraram os indícios que levariam a conclusão de que se estava perante um caso de tráfico de crianças”.

Ouvir o áudio02:30

Polícia moçambicana resgata crianças vítimas de tráfico humano

Pobreza favorece o crime

De acordo com o porta-voz da polícia, “há indivíduos que atravessam a fronteira na busca de melhores condições de vida, outros vêm da África do Sul para Moçambique”. Fernando Manhiça fez um apelo à população, pedindo a todos que ajudem a “divulgar qualquer tipo de ilicitude com vista a colmatarmos este tipo de situações”.

Os casos de tráfico de pessoas ocorrem em diversas comunidades do país. As vítimas são aliciadas com melhores condições de trabalho e de vida, mas muitas vezes são usadas para realizarem trabalhos não remunerados, para prostituirem-se ou ainda para contraírem matrimónios forçados.

Cimeira UE-UA promete agir contra escravatura de migrantes

A escravatura de migrantes e refugiados foi discutida na cimeira da União Europeia-União Africana

A escravatura de migrantes e refugiados vai ser combatida com medidas fortes, anunciaram os dirigentes africanos e europeus reunidos em Abidjan, na Costa do Marfim. O tráfico de seres humanos foi tema central da quinta cimeira da União Europeia-União Africana, em reação às imagens recentemente divulgadas por um canal televisivo norte-americanode um mercado de escravos na Líbia. Os participantes na cimeira preconizaram o lançamento de um inquérito internacional e a criação de forças especiais encarregadas de combater o tráfico de seres humanos

“O tratamento inumano de migrantes não pode deixar de nos interpelar e exige respostas à altura da nossa condenação. Para já, podem ser organizadas rapidamente ações humanitárias contra as redes de traficantes, que devem ser neutralizados e devem ser realizados inquéritos para apurar responsabilidades”, disse o presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara.

O chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, que na quarta-feira defendera o lançamento de uma operação militar e policial para desmantelar redes de tráfico de migrantes na Líbia, anunciou, para os próximos dias ou semanas, operações de repatriação de urgência de migrantes vítimas de traficantes de seres humanos naquele país.

“Para começar, uma operação de extrema urgência para retirar da Líbia todos aqueles que querem e podem ser repatriados, para os ajudar a reggressar aos países de origem. A França será solidária com esta operação de urgência, que será executada nos próximos dias e nas próximas semanas”, disse Macron.

De acordo com a União Africana, cerca de 3.800 migrantes, principalmente originários da África Ocidental, vivem em condições inumanas. Estimativas apontam para um total de cerca de 700 mil migrantes retidos na Líbia.

O facto de migrantes e refugiados serem vendidos como escravos na Líbia tem sido ignorado. O relatório de abril deste ano da Organização Internacional para as Migrações denunciava a existência de mercados de escravos ao longo das rotas de migração no Norte de África.

O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, classificou em meados de novembro de “desumano” o apoio da União Europeia à Guarda Costeira da Líbia, que tem resultado na detenção de milhares de migrantes em condições “horríveis” dentro do país.

Fonte: http://pt.euronews.com/2017/11/30/cimeira-ue-ua-promete-agir-contra-escravatura-de-migrantes

Autoridades detêm 40 pessoas por exploração sexual de nigerianas

Quarenta pessoas foram detidas pelas autoridades espanholas, estando acusadas de explorar sexualmente cidadãs nigerianas, algumas menores de idade, em várias cidades de Espanha, informaram hoje fontes do Tribunal da Comunidade Valenciana.

Notícias ao Minuto

17:23 – 29/11/17 POR LUSA

MUNDO ESPANHA

As vítimas eram obrigadas a prostituir-se, presumivelmente nas grutas de onde foram resgatadas pelos agentes, na província de Almería, referiram as mesmas fontes, ouvidas pela agência espanhola Efe.

As detenções ocorreram em duas fases, sendo que na primeira, na semana passada, foram detidos 27 suspeitos, 24 dos quais acabaram em prisão preventiva.

A primeira fase da operação incluiu buscas no País Basco, na Comunidade de Madrid, em Castela-Mancha e na Andaluzia.

A segunda fase da operação decorreu em Alicante e em municípios de Almería, tendo sido detidas mais 13 pessoas.

Os detidos são suspeitos de pertencerem a uma organização criminosa, estando acusados de prática de tráfico de seres humanos, indução à prostituição e branqueamento de capitais, de acordo com as fontes judiciais ouvidas pela Efe.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com/mundo/908754/autoridades-detem-40-pessoas-por-exploracao-sexual-de-nigerianas

ONU discute resposta mais firme a leilões de escravos na Líbia

A França solicitou uma reunião de emergência do Conselho para terça-feira, uma semana após um importante órgão da ONU debater o tráfico de humanos

O Conselho de Segurança da ONU deve tomar medidas mais forte, possivelmente incluindo sanções, a fim de parar os leilões de escravos na Líbia, disse o embaixador francês nesta segunda-feira (27).

A França solicitou uma reunião de emergência do Conselho para terça-feira, uma semana após um importante órgão da ONU debater o tráfico de seres humanos, que abordou o abuso de migrantes na Líbia.

“Precisamos avançar mais no sentido de dizer ‘não’ a essa situação inaceitável”, disse aos repórteres o embaixador francês, François Delattre.

Questionado se era possível haver sanções, Delattre disse: “estamos trabalhando em medidas possíveis para lutar contra este flagelo. Não excluímos nada”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse na semana passada que estava horrorizado com as imagens divulgadas pela CNN mostrando um aparente leilão de migrantes africanos para trabalhar como agricultores.

Os homens eram vendidos por 400 dólares.

Abusos

Guterres assinalou que leilões de escravos estão “entre os abusos mais flagrantes dos direitos humanos e podem representar crimes contra a humanidade”.

Líderes africanos expressaram sua indignação com as imagens e pediram uma investigação. Funcionários líbios declararam que vão averiguar o caso.

Os leilões de escravos relatados levantaram dúvidas sobre se os acordos de migração da União Europeia (UE) elaborados para conter as travessias no Mediterrâneo estariam transformando os traficantes de seres humanos em traficantes de escravos, já que um número crescente de migrantes está preso na Líbia.

A Líbia se tornou um enorme centro de trânsito para os africanos subsarianos que iam para a Europa após a queda do ditador Muammar Kadhafi em 2011.

O tema da migração dominará uma cúpula da UE com a União Africana na Costa do Marfim esta semana. Guterres estará presente.

Fonte: https://exame.abril.com.br/mundo/onu-discute-resposta-mais-firme-a-leiloes-de-escravos-na-libia/