EPM abre inscrições para seminário sobre tráfico de pessoas

, ,

As inscrições são gratuitas e abertas aos membros e representantes dos sistemas de Justiça e de segurança pública.

As inscrições seguem até o dia 16 deste mês

Até o dia 16 de setembro (ou até o preenchimento das vagas), estão abertas as inscrições para o I Seminário sobre tráfico de pessoas e trabalho escravo, que será promovido pela EPM no dia 23 de setembro, das 9 às 18 horas, no Salão do Júri do Palácio da Justiça (Praça da Sé, s/n), sob a coordenação da desembargadora Maria de Lourdes Rachid Vaz de Almeida.

As inscrições são gratuitas e abertas aos membros e representantes dos sistemas de Justiça e de segurança pública e membros da sociedade civil.

São oferecidas 100 vagas (presenciais). Haverá emissão de certificado aos inscritos que registrarem frequência.

Inscrições: os interessados deverão preencher a ficha de inscrição diretamente no site da EPM. Após o envio da ficha, será automaticamente remetido e-mail confirmando a inscrição.

Fonte: http://anamages.org.br/noticias/epm-abre-inscricoes-para-seminario-sobre-trafico-de-pessoas

MT está na rota do tráfico de pessoas

, , ,

Atividades.1Atividades.2Atividades.3

 

JOANICE DE DEUS
Da Reportagem

Por possuir uma extensa faixa de fronteira, Mato Grosso tem ligações diretas com a rota do tráfico nacional e internacional de pessoas. Em 2013, relatório da Secretaria de Direitos Humanos (SDH), ligada ao Ministério da Justiça (MJ), com base em denúncias feitas ao Disque 100 revela o registro de 15 vítimas à época, no Estado.

No mesmo período, um levantamento feito pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) mostrou que, ao longo dos quase quatro mil quilômetros de malha rodoviária federal do Estado, existiam cerca de 130 pontos de exploração sexual e tráfico de pessoas.

Para discutir o assunto, o Cetrap promove, entre os dias 07 e 08 de julho, a Campanha Coração Azul, ação criada pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc) da ONU. A atividade é desenvolvida em mais de dez países e tem em Mato Grosso um dos estados mais atuantes no enfrentamento ao tráfico de pessoas.

A abertura do evento ocorre com a realização de um seminário sobre tráfico de pessoas no auditório II, do bloco C, da Universidade de Várzea Grande (Univag). A programação conta ainda com campanhas socioeducativas, atos públicos e entrega de panfletos na Rodoviária de Cuiabá e no Aeroporto Marechal Rondon.

Casos mais recentes são relatados pela coordenadora do Comitê de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Cetrap), Dulce Regina Amorim. Um deles refere-se a três adolescentes trazidos por aliciadores da Bahia para o trabalho infantil na Grande Cuiabá.

“Os garotos eram obrigados a vender redes e só comiam quando conseguiam comercializar os produtos”, contou. Os meninos conseguiram fugir e encontraram ajuda no Conselho Tutelar.

No ano passado, também houve o caso de garotas, com idades entre 15 e 16 anos, do município de Nobres (142 quilômetros, médio norte do Estado) que foram levadas por aliciadores para São Paulo para fins de exploração sexual, e mantidas em cárcere privado.

Porém, ainda hoje há muita subnotificação dos casos já que crimes como exploração sexual e trabalho escravo, em sua maioria, não são classificados pelos órgãos como “tráfico de pessoas”.

Ainda em 2013, estudos do SDH mostraram uma grande incidência de tráfico de pessoas para fins de trabalho escravo em Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Paraná, Pará, Amazonas e Mato Grosso do Sul. A atividade ilícita para fins de exploração sexual também foi constatada no território mato-grossense.

Também foram identificadas novas modalidades, como a exploração da mendicância e da servidão doméstica de crianças e adolescentes e de pessoas usadas como “mulas” para o transporte de substâncias ilícitas, entorpecentes e adolescentes traficados para exploração em clubes de futebol.

Já o perfil da pessoa traficada é de homens e mulheres, travestis e transgêneros, crianças e adolescentes, em condição de vulnerabilidade. Para denunciar basta ligar para o “Disque 100”, serviço do Governo Federal. O Disque 180 também pode ser acionado.

Fonte: http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=492668

Programação da Campanha Coração Azul em Mato Grosso

 

Emerj debate tráfico de pessoas

, ,
Notícia publicada pela Assessoria de Imprensa em 13/06/2016 16:32
 o-desaparecimento-forcado-de-meninas-e-mulheres-e-relacao-com-o-trafico-de-pessoas

A Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj), dentro do Fórum Permanente de Violência Doméstica, Familiar e de Gênero, promove no próximo dia 17 de junho (sexta-feira), de 9h30 às 12h, o debate “O Desaparecimento Forçado de Meninas e Mulheres e a Relação com o Tráfico de Pessoas”. A abertura será feita pelo diretor-geral da EMERJ, desembargador Caetano Ernesto da Fonseca Costa, e pela presidente do Fórum Permanente de Violência Doméstica, Familiar e de Gênero, juíza-auxiliar da Presidência do TJRJ Adriana Ramos de Mello.

O evento terá como palestrantes a desembargadora  Lídia Maejima, do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (premiada na 12ª edição do prêmio Innovare), o juiz Rinaldo Aparecido Barros, do TJ-GO (membro do Comitê Nacional Judicial de Enfrentamento à Exploração do Trabalho em Condição Análoga à de Escravo e ao Tráfico de Pessoas) e a delegada Elen Souto, da Delegacia de Descoberta de Paradeiros do Estado do Rio de Janeiro (DDPA/RJ).

Serão concedidas horas de estágio pela OAB/RJ para estudantes de Direito participantes do evento, assim como horas de atividade de capacitação pela Escola de Administração Judiciária aos serventuários. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas no site da Emerj www.emerj.tjrj.jus.br

O debate acontece no auditório Desembargador Paulo Roberto Leite Ventura, que fica na Rua Dom Manuel, 25 – 1º andar, Centro, Rio de Janeiro (atrás do Fórum). Mais informações: 3133-3369 (secretaria da EMERJ).

AO/PC

Fonte: http://www.tjrj.jus.br/web/guest/home/-/noticias/visualizar/35008

Fórum de Violência Doméstica do TJRJ fará reunião sobre tráfico de pessoas em 17 de junho

,

o-desaparecimento-forcado-de-meninas-e-mulheres-e-relacao-com-o-trafico-de-pessoas

O Fórum Permanente de Violência Doméstica, Familiar e de Gênero do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) realiza, no dia 17 de junho, a 42ª reunião, com o tema ‘Desaparecimento Forçado de Meninas e Mulheres e a Relação com o Tráfico de Pessoas’. A abertura é do diretor geral da Escola de Magistratura do Rio de Janeiro (Emerj), desembargador Caetano Ernesto da Fonseca Costa e da presidente do Fórum, a juíza-auxiliar da Presidência Adriana Ramos de Mello.

 

 

Os palestrantes convidados são a desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, Lídia Maejima, o juiz do Tribunal de Justiça de Goiás, Rinaldo Aparecido Barros e a delegada Elen Souto. A reunião será das 9h30 ao meio-dia, no auditório Desembargador Paulo Roberto Leite Ventura – Rua Dom Manuel, 25, 1º andar, no Centro do Rio.

Serão concedidas horas de estágio pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para estudantes de Direito e de atividade de capacitação pela Escola de Administração Judiciária (Esaj)ao servidores que participarem.

As inscrições são feitas pelo site: www.emerj.tjrj.jus.br . Mais informações pelo telefone 3133-3369.

Acesse no site de origem: Fórum de Violência Doméstica do Tribunal fará reunião sobre violência familiar e de gênero (TJRJ – 02/06/2016)

Fonte: http://www.compromissoeatitude.org.br/forum-de-violencia-domestica-do-tjrj-fara-reuniao-sobre-violencia-familiar-e-de-genero-em-17-de-junho-tjrj-02062016/