Campanha usa tecnologia de realidade virtual para alertar sobre o tráfico humano

, ,

Iniciativa aproxima público da experiência vivida por vítimas.

realidade virtual okDurante os Jogos Olímpicos, no Rio de Janeiro, uma equipe de voluntários irá percorrer os pontos turísticos da cidade levando óculos de realidade virtual em vítimas de tráfico humano, que contam, em vídeos, sua história, e inserem o espectador nos ambientes relatados – como cativeiros e casas de prostituição, em diferentes cidades do mundo. A ação é uma parceria da organização 27 Million, representante da campanha “Stop the Traffik” no Brasil, com a Organização Operation Blessing, entidade internacional humanitária sem fins lucrativos que leva ajuda humanitária a mais de 37 países.

Os óculos poderão ser utilizados em locais como a Lagoa Rodrigo de Freitas, Praia de Ipanema e Copacabana, Arpoador, Cinelândia, Largo da Carioca e metrô Botafogo. “Com essa ação, nossa ideia é sensibilizar as pessoas sobre um problema que faz 35,6milhões de vítimas no mundo”, diz Taty Rapini, diretora executiva da 27 Million.

Ao lançar do recurso da realidade virtual, a ação recria ao máximo a realidade vivida pelas vítimas. O participante poderá, por exemplo, sentar em frente a uma garota traficada que contará sua história simulando uma conversa frente a frente. Ao colocar os óculos da iniciativa, será possível assistir a histórias reais de diferentes vítimas dos seguintes países: Amsterdã, México e Nepal. Cada história tem duração de dois minutos e ao fim das experiências, voluntários estarão disponíveis em todos os locais da intervenção para tirar dúvidas e falar mais sobre o tema.

“Além de conscientizar, nossa intenção é proporcionar ferramentas para que cada pessoa possa ser parte da transformação no mundo, instruindo-as para que reconheçam e denunciem o tráfico de pessoas”, diz Taty.

Fonte: http://ipnews.com.br/campanha-usa-tecnologia-de-realidade-virtual-para-alertar-sobre-o-trafico-humano/

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer participar da discussão?
Sinta-se a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *